As 5 Leis do SEO

A Biblioteconomia como área de atuação vem do surgimento da Biblioteca de Alexandria, em 288 a.C., criada com para reunir e classificar todos os conhecimentos do mundo antigo, registrados em forma documental

Ela é uma área interdisciplinar e multidisciplinar do conhecimento e estuda as práticas, perspectivas e as aplicações de métodos de representação, e gestão da informação e do conhecimento, em diferentes ambientes de informação, tais como bibliotecas, centros de documentação, e centros de pesquisa.

As 5 leis da Biblioteconomia

Uma das figuras mais importantes da Biblioteconomia é Shiyali Ramamrita Ranganathan, um matemático e bibliotecário da Índia, considerado o pai da biblioteconomia no país.

Ele criou as 5 leis de Ranganathan que até hoje pautam muito do trato dos centros de informação com a prática do trabalho. Ele foi o autor do livro “The Five Laws of Library Science” (1931) que aborda pontos importantíssimos da Biblioteconomia moderna com suas cinco Leis.

Estas leis podem ser resumidas da seguinte forma:

  1. Os livros são para serem usados – o livro é um meio que impulsiona o conhecimento. E podemos observar a importância de uma biblioteca na seguinte frase: “quem tem informação, tem poder”. Aponta para o livro como um meio e não como tendo um fim em si mesmo.
  2. Todo leitor tem seu livro – o bibliotecário deve fazer o estudo dos usuários, observando a clientela para preparar o acervo. Aponta para a seleção de acordo com o perfil do usuário.
  3. Todo livro tem seu leitor – refere-se a disseminação da informação, em que se deve divulgar os livros existentes em cada biblioteca. Aponta para a importância da divulgação do livro, sua disseminação, antecipando a estética da recepção.
  4. Poupe o tempo do leitor – a arrumação e catalogação dos documentos diminui o tempo necessário para encontrar a informação desejada. Aponta para o livre acesso às estantes, o serviço de referência e a simplificação dos processos técnicos.
  5. Uma biblioteca é um organismo em crescimento – o bibliotecário deve controlar esse crescimento, verificando qual a informação que está sendo usada, através de estatísticas da consulta e empréstimo. Decorre da explosão bibliográfica que exige atualização das coleções e previsão do crescimento da área ocupada pela biblioteca.

Quando eu entrei em contato com essas leis comecei a perceber a sua relação com o que entendemos como fundamental em projetos online e o SEO. Me baseando nelas criei:

As 5 Leis do SEO

Então, vamos as 5 leis do SEO baseadas nas 5 leis da Biblioteconomia?

1 – Informação é para ser usada

Assim como nas leis definidas por Ranganathan, onde o livro é o meio por qual o conhecimento é impulsionado, aqui temos o seu site é o meio por qual a informação deve fluir e, através dela, o conhecimento do usuário alcançado.

A frase “quem tem informação, tem poder” também tem sentido no caso da relação entre visitante, site e informação. O seu site é fundamental por ser o meio por qual o visitante entra em contato com informações.

Pense nos seus projetos como não um meio em si, mas um caminho pelo qual a informação deve fluir.

2 – Cada visitante tem o seu conteúdo

Assim como o bibliotecário, o analista SEO precisa fazer (ou ajudar a fazer) estudo dos usuários. Temos muitas ferramentas para conhecer o comportamento e o perfil de seus usuários.

Se você trabalha com profissionais de UX terá aliados fundamentais para conhecer seus usuários e visitantes. Use ferramentas de analytics, BI e monitoramento de acesso. Observar como as pessoas chegam no seu site e como usam a informação disposta nele, pode orientar como essa informação deve estar organizada.

Categorize e organize como um bibliotecário: de acordo com o perfil do usuário.

3 – Cada conteúdo para o seu visitante

Organizar a informação segundo cada perfil de visitante. Isso não é novo.

Sites como o da BBC já usam tecnologias e técnicas que (mesmo para visitantes não logados) moldam a home de acordo com o perfil de cada visitante.

Estudo de Caso e o Poder do SEO Semântico

Usando tecnologia (quem sabe, um pouco de inteligência de máquina) para usar cohort para moldar a informação do seu site, ou incentivar os visitantes criem contas, para personalizar a informação entregue a cada perfil.

Disseminar a informação, segundo cada necessidade, antecipando a estética do seu conteúdo.

4 – Poupe o tempo do visitante

Essa regra da Biblioteconomia se encaixa perfeitamente para o UX, Design Web, Arquitetura da Informação e o SEO: poupe o tempo do visitante. Organizar, arrumar e catalogar eficientemente os dados do seu site, reduz o tempo necessário para encontrar a informação desejada.

Usar uma ferramenta de busca eficiente no seu site é uma das atitudes necessárias para poupar o tempo do visitante, simplificar menus e nomeações são também práticas recomendadas.

5 – Um site é um organismo em crescimento

Assim como uma biblioteca, um site deve ser um organismo em crescimento. O gestor de um site deve controlar e planejar esse crescimento, conectando-o aos objetivos da organização.

Validar como a informação está sendo usada é também trabalho do SEO, analisando as estatísticas. Atualizar, manter e qualificar a informação do seu site, gerenciamento o crescimento do projeto, é trabalho de todos.


O que você achou das leis do SEO?

Acha que essas leis podem ser promulgadas?


Alexander Rodrigues Silva

Consultor SEO

Consultor SEO e defensor da Web Semântica. Publicitário e Bibliotecário em formação, com mais de 20 anos de experiência no Digital. Trabalho com Search Engine Optimization desde 2009, sempre buscando alinhar a experiência do usuário a estratégias como Marketing de Conteúdo, otimizando o investimento em SEO.

SEO Semântico – A série

Exit mobile version